Quando se trata de alimentação na infância, os cuidados devem ser redobrados. As crianças aprendem pelo exemplo e desenvolvem uma cultura gastronômica de acordo com o estilo de vida dos pais.

Nem todos os alimentos agradam ao paladar. À medida que crescem, tendem a ficar mais seletivos. Ainda assim, especialistas acreditam ser importante os pais não desistirem de oferecer até aqueles alimentos que os filhos não gostam tanto. É fundamental que a criança, a exemplo dos pais, seja incentivada a comer frutas, legumes e verduras. Esses hábitos alimentares saudáveis devem ser incutidos desde cedo.

Segundo recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS), o ideal é consumir por dia cinco porções de frutas, hortaliças e legumes. Há muitas
doenças que podem ser evitadas com boa alimentação! A obesidade infantil afeta 41 milhões de crianças menores de 5 anos no planeta. “Entram na lista colesterol alto, hipertensão, diabetes, sem falar no impacto na autoestima e na qualidade de vida,” afirma a nutricionista especialista em saúde infantil, Mariana Del Bosco.

Desde as primeiras papinhas, o bebê não está somente nutrindo o corpo, mas também seu desejo por descobrir novos sabores, aromas, texturas. A introdução alimentar é feita aos poucos para que se perceba o sabor de cada alimento separadamente. Com o tempo, a criança vai ampliando o leque de alimentos oferecidos. As refeições devem acontecer a cada três horas para que o organismo tenha tempo de absorver a maior parte das vitaminas e nutrientes de cada refeição.

Como ter bons hábitos alimentares se há, em todos os lados, shoppings, outdoors que exibem alimentos do tipo “fast food”, com forte apelo entre as crianças? As prateleiras de supermercados estão repletas de guloseimas, snacks, alimentos processados. Esse é um grande desafio que os pais têm de enfrentar. O “equilíbrio” é o melhor caminho, dizem os especialistas. Ou seja, o ideal é comer um pouco de tudo, mas com parcimônia.

Saiba algumas dicas para uma alimentação balanceada para crianças:

Frutas com cascas
Na casca se concentra boa parte das vitaminas e nutrientes da fruta. Por isso, sempre que possível, é importante não retirá-la. Ela pode ser higienizada com detergente neutro, ou colocada num recipiente com água e hipoclorito de sódio, e depois lavada intensamente.

Doces e outras guloseimas
Podem ser consumidos com equilíbrio. Em excesso causam prejuízos à saúde.
Crianças com peso adequado podem ingeri-los em pequenas quantidades, no máximo três vezes na semana.

Prato Colorido
Fazer um prato colorido pode ser lúdico, divertido, desperta o apetite e ainda garante maior valor nutricional aos pratos dos pequenos.

Alimentos duros
Comidas mais consistentes, como pedaços de cenoura, tomate, pepino, entre outros, auxiliam no fortalecimento da musculatura bucal e também estimulam a mastigação.

Sucos naturais e água
Dê preferência para oferecer sempre água. Após as refeições, os sucos cítricos ajudam na absorção de vitaminas. Segundo a Sociedade Brasileira de Pediatria, os sucos naturais devem ser evitados.

Entretanto, se forem administrados, que sejam dados no copo, de preferência após as refeições principais – e não em substituição a elas – em dose máxima de 100 ml/dia, com a finalidade de melhorar a absorção do ferro. Suco natural não substitui a fruta, pois se perde parte das fibras e dos nutriente